Qual Feminismo te representa?

jeff on Twitter: "posta de apreciação as mulheres.… "
Reprodução: Twitter, caso saiba o autor da foto informar nos comentários


Tem um bom tempo que venho refletindo em como o feminismo e o empoderamento viraram algo mecanizado e midiático.

Eu sou pobre, moro em uma favela em São Paulo, acordo as seis todos os dias, trabalho de segunda à domingo, meus pais são autônomos e perto de muitas pessoas me considero privilegiada sim, pois não pago aluguel como 70% da população e nem tenho filhos como a maioria das mulheres da minha idade na favela tem.

Mas eu escrevo sobre empoderamento, relações abusivas e consequentemente sigo pessoas que falam sobre isso. Há um bom tempo não me vejo representada pelos vlogs, blogs ou canais de comunicação na internet que abordam os assuntos que escrevo aqui.

Rosie The Riveter Strong Women GIF by Women's History Month

Tudo que envolve o feminismo e empoderamento (produtos, livros, roupas, palestras) é caro e parece que é feito para a mulher de classe média que anda com sua ecobag e mora em um apartamento.

E a jovem que mora na favela, acorda cedo, ajuda os pais em casa, paga a própria faculdade ou faz cursinho porque sempre estudou em escola pública e suas oportunidades acadêmicas são inferiores a quem sempre estudou em uma escola particular, que às vezes volta a pé para casa porque não tem condução, que é mãe solteira e cria seu filho sozinha mesmo e muitas vezes não tem nem dinheiro para comprar o leite do dia seguinte. Cadê essa mulher representada? Esses dias vi uma palestra com o tema empoderamento e o preço era R$ 800 reais - isso é quase meu salário!

Sem falar os eventos gratuitos que até tem, mas não condizem com o horário da jovem trabalhadora da periferia e sempre são localizados no centro da cidade, onde a maioria das mulheres não possui fácil acesso.

Feminism Justice GIF by Sarah Wintner

A verdade é que o feminismo não chega à favela. Tão pouco chega para a mãe solteira favelada que não conhece o que é ghosting ou relacionamento abusivo e nem empoderamento. O feminismo precisa chegar nas comunidades, o feminismo negro e pobre precisa ser mais reconhecido.

Mas o que nós mulheres podemos fazer para mudar esse cenário? Desconstruindo esse feminismo burguês. Consumindo produto de mulheres da periferia, conversando com elas e explicando o que aprendemos sobre feminismo e empoderamento.

Seguir pessoas que nos representam e que mostram a vida real ou uma realidade mais próxima a sua. Essa não é uma realidade fácil de mudar, pois o capitalismo se associa de tudo que está em evidência no momento e o feminismo é um deles.

O que adianta revistas e “celebridades“ realizarem eventos, lançarem produtos, se quando a maior realidade através dessas ações e propagandas “empoderadoras” é faturar e ganhar mídia.

marching hell yeah GIF by badassfemme

Não estou desmerecendo as mulheres que possuem uma condição financeira melhor, muito menos as marcas que financiam campanhas e aquelas que realmente causam impacto social na vida de mulheres, mas precisamos parar de achar que feminismo é modismo, pois não é! Está longe de ser!

Não me surpreende as estatísticas de feminicídio, onde nas periferias é o local que mais acontece esses crimes... Se o feminismo, empoderamento e impacto social tivessem chegado lá, será que essas estatísticas mudariam? Aqui fica a reflexão...

Vamos lutar por um feminismo mais real, estamos juntas!

Nenhum comentário:

• Não serão aceitos comentários grosseiros
• Deixe o link do seu blog ao final do comentário
• Parcerias só em contato

Tecnologia do Blogger.